Posts Tagged ‘Cemig’

Governador inaugura iluminação de Natal da Praça da Liberdade

dezembro 6, 2010

O presidente da Cemig, Djalma de Morais, e o governador Anastasia acionaram o dispositivo que ligou 36 mil conjuntos de microlâmpadas. Foto Wellington Pedro/ Imprensa MG

Dezenas de pessoas acompanharam, na noite desta segunda-feira, dia 6, a inauguração da iluminação de Natal da Praça da Liberdade. O governador Antonio Anastasia, ao lado do presidente da Cemig, Djalma Bastos de Morais, acionou, do Palácio da Liberdade, o dispositivo que ligou os 36 mil conjuntos de microlâmpadas instalados na praça. Os portões do Palácio da Liberdade foram abertos ao público, que lotaram os jardins.

Alegrando ainda mais a festa, o Papai Noel também participou da solenidade ao lado do governador. O Coral do Grêmio Recreativo dos Funcionários da Cemig cantaram músicas natalinas. Em seguida, já com as luzes de Natal acesas, o músico Waldir Silva e um trio de músicos vestidos de papai Noel tocaram canções natalinas tradicionais em ritmo de chorinho, no coreto da Praça da Liberdade.

Este ano, a decoração feita pela Cemig aborda, de forma lúdica, a preservação da cultura e do patrimônio mineiros. Foram instalados 36 mil conjuntos de microlâmpadas e 38 mil metros de cordões luminosos.
Com anjos suspensos, estrelas, sinos, bengalas e bolas de Natal, a praça também terá dois papais noéis de 4,5 metros cada e uma árvore de Natal com 10 metros de altura, que irá reproduzir a mesma trilha musical do coreto. O investimento na praça é de R$ 227 mil.

Outros pontos
A Cemig também instala iluminação natalina em outros nove pontos da capital, com investimento de R$ 770 mil. Além da Praça da Liberdade, a estatal mineira será responsável pela iluminação do Palácio das Mangabeiras, da Avenida Barbacena, do seu edifício-sede, da Cidade Administrativa, da Assembleia Legislativa, do Ministério Público, do Comando da Polícia Militar (Copom), do Corpo de Bombeiros, da Igreja São José e do Minascentro. Os trabalhos serão concluídos até o dia 10 de dezembro e todos os locais ficarão iluminados até o dia 6 de janeiro de 2011.

Deficientes visuais
Como ocorreu em 2009, a Cemig, este ano, também irá realizar uma mostra das principais peças, em tamanho real, que foram utilizadas na decoração natalina de Belo Horizonte, como anjos, estrelas e cometas. O objetivo é permitir que a decoração natalina também seja apreciada por pessoas portadoras de deficiência visual.

Além disso, um texto em braile descreverá as cores, brilhos e os chorinhos de Natal, proporcionando uma idéia bem próxima da maneira como o Natal está sendo celebrado nas ruas da capital. A mostra será aberta no dia 7 de dezembro, na Galeria de Arte do edifício-sede da Cemig, e estará à disposição do público até o dia 06 de janeiro de 2011,das 10 horas às 16 horas, inclusive nos finais de semanas.

Fotos Lucia Sebe / Secom MG

Fonte: Agência Minas

Anúncios

Balanço energético de Minas Gerais revela crescimento das fontes alternativas

novembro 10, 2010

Um aumento significativo da participação das chamadas fontes alternativas de energia ocorreu na matriz energética mineira nos últimos anos e a perspectiva é de ampliação em virtude da utilização crescente do gás natural e dos biocombustíveis, com destaque para o etanol, bagaço, carvão vegetal e a geração a partir da incineração de resíduos sólidos urbanos. Do total da demanda estadual de energia, 53,1% referem-se às fontes renováveis de energia.

A informação consta do 24º Balanço Energético do Estado de Minas Gerais – 2009, ano base 2008, elaborado pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), através da Superintendência de Tecnologia e Alternativas Energéticas, no âmbito do Conselho Estadual de Energia (Coner), coordenado pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede). O documento, que acaba de ser divulgado, atualiza a série histórica da matriz estadual, incorporando os dados do período de 1978 a 2008.

A demanda total de energia em Minas Gerais, em 2008, alcançou 34,4 milhões de toneladas equivalente de petróleo (tEP), valor equivalente a 13,5% da demanda total de energia no Brasil. No período 1978-2008, a demanda cresceu, no Estado, a uma taxa média de 2,65% ao ano, e a variação ocorrida no Brasil foi de 2,97% para o mesmo período.

Leia matéria completa Balanço energético de Minas Gerais revela crescimento das fontes alternativas

Confira também Minas Gerais irá colher uma das maiores safras de grãos da história

Anastasia destaca políticas do governo mineiro para ampliar a oferta de gás natural

setembro 29, 2010

Em Ouro Fino, Antonio Anastasia garantiu que o governo do Estado irá manter os investimentos na construção de gasodutos em todas as regiões de Minas. Foto Rodrigo Lima

O governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição, destacou nesta quarta-feira, dia 29, o compromisso do Governo de Minas com o desenvolvimento de novas fontes de energia. Hoje, a Gasmig, subsidiária da Cemig, iniciou as operações da segunda etapa do gasoduto do Vale do Aço, ligando os municípios de Ouro Branco (Região Central) e Belo Oriente (Vale do Rio Doce), beneficiando a região que concentra grandes siderúrgicas. Para os próximos anos, Antonio Anastasia reiterou o compromisso em ampliar a rede de gasodutos em todo o Estado, que deverá ganhar impulso com a descoberta de gás natural na Bacia do São Francisco, em Morada Nova de Minas.

“Nós inauguramos o gasoduto que atende o Vale do Aço, vai até à Cenibra, em Belo Oriente, e vai se desdobrar daqui a pouco para Governador Valadares, uma região que precisa de energia. Aqui no Sul de Minas, já inauguramos o gasoduto a Poços e Andradas. Vamos estendê-lo até Pouso Alegre. Descobrimos gás mineiro agora em Morada Nova e daqui a pouco tempo, teremos gás mineiro com gasodutos, para a Região Metropolitana, para o Norte e para o Triângulo, já que Uberaba também terá o seu gasoduto. O gás hoje é o combustível barato, ecológico, correto e que vai permitir uma fonte importante de energia para as empresas mineiras”, afirmou Antonio Anastasia, em entrevista na cidade de Ouro Fino (Sul de Minas).
 
Nova Fronteira Econômica
A expansão da rede de gasodutos por Minas Gerais ganhará um novo impulso, a partir da descoberta de gás natural na Bacia do São Francisco. A descoberta de gás natural em Morada Nova de Minas (Região Central) foi anunciada oficialmente no início deste mês. A expectativa é que o início da oferta do produto atraia para Minas empresas de diversos setores da indústria petroquímica, química e siderúrgica, que têm o gás como um insumo importante para a produção. A descoberta do gás na região Central de Minas decorre de um esforço empreendido pelo ex-governador Aécio Neves para que a exploração de gás no São Francisco ocorresse depois de décadas de estudos iniciados na área.

A perfuração do poço em Morada Nova de Minas foi iniciada no último dia 22 de julho e atingirá, em um prazo de 60 dias, a profundidade de 2.500 metros. A descoberta dos primeiros indícios da existência de gás natural ocorreu no último dia 27, a uma profundidade de 1.440 metros com queima de gás natural na superfície em teste de formação.

Além do desenvolvimento econômico, Minas Gerais poderá contar com uma nova fonte de receita, a partir dos royalties pagos pela exploração do gás natural. O empenho para desenvolver a exploração do gás da Bacia do São Francisco contou com a participação da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemig). A companhia é uma das sócias do consórcio Cebasf, com 49% de participação, responsável pelo Bloco SF-T-132, onde foi efetuada a descoberta.
           
(more…)

Minas concede isenção de ICMS a 2,7 milhões de consumidores de energia elétrica

setembro 20, 2010

O Governo de Minas isenta da cobrança de ICMS 2,7 milhões de consumidores que gastam até 90 kwh de energia elétrica por mês. Isso corresponde a 60% do total de consumidores residenciais do Estado, que pagam valores menores da conta de luz em razão da isenção do imposto estadual. Desse total, 1,9 milhão são famílias de baixa renda que, além da isenção dada pelo Governo de Minas, são beneficiadas com uma tarifa mais baixa, conhecida como tarifa social.

A tarifa cobrada pela Cemig e nos demais estados brasileiros é definida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), órgão federal que regula o setor de energia. A tarifa é composta ainda por 14 impostos federais. São eles: Reserva Global de Reversão; Cota de Consumo de Combustível; Conta de Desenvolvimento Energético; Taxa de Fiscalização de Serviços de Energia Elétrica; Taxa de Custeio do Operador Nacional do Sistema; Encargos e Serviços de Sistema; Pesquisa e Desenvolvimento; Programa de Incentivos às Fontes Alternativas de Energia Elétrica; Compensação Financeira de Recursos Hídricos; Taxa de Fiscalização da Aneel; Contribuição – CCEE; Programa de Eficiência Energética; Programa de Integração Social (Pis/Pasep) e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins).

Se um cliente de baixo consumo da Cemig, que é isento do ICMS, também tivesse a isenção de impostos federais, a sua conta de luz teria uma redução de até 30%. No caso de Minas, de 2003 a 2009, com a cobrança de apenas três encargos, o Governo Federal arrecadou mais de R$ 6 bilhões. Menos de 10% disso voltou para Minas em investimentos federais no setor de energia.

Minas é o estado brasileiro com maior número de municípios, são 853. A diferença da extensão territorial dos estados impede a comparação dos custos com outros estados para fornecimento dos serviços. A Cemig distribui energia elétrica a cerca de 6,5 milhões de consumidores, sendo 5,1 milhões residenciais.
 
De onde vêm os recursos do Luz para Todos?
Além da tarifa social, o Governo de Minas investe, por meio da Cemig, no Programa Luz para Todos de eletrificação nas áreas rurais do Estado. O programa é uma parceria entre o Governo de Minas e o Governo Federal. O Luz para Todos foi iniciado em 2003 e, neste ano, entrou na terceira fase de implantação. Ao final desta etapa, prevista para dezembro de 2010, o Governo de Minas cumprirá a promessa assumida de dotar 100% da população rural do Estado com energia elétrica.

Até dezembro, o número de ligações terá atingido um total de 285 mil consumidores, que representam uma população atendida de cerca de 1,5 milhão de pessoas. Nesse período, o investimento total no Luz para Todos soma R$ 3 bilhões, sendo 77% desse montante de responsabilidade do Governo de Minas e da Cemig e 23% do Governo Federal.

Na parte do investimento cabível ao Governo de Minas e à Cemig, estão recursos do Estado via isenção de ICMS, do próprio caixa da Cemig e empréstimos feitos junto à Eletrobrás, que serão amortizados pela estatal mineira nos próximos anos. Os recursos do Governo Federal são a fundo perdido e originados da cobrança dos impostos e encargos pagos pelo consumidor na conta de luz.

Governador Anastasia anuncia oficialmente descoberta de gás na Bacia do São Francisco

setembro 2, 2010

Governador Antonio Anastasia diz que descoberta do gás natural representa nova fronteira econômica para o Estado. Foto Imprensa/MG

“Há gás em Minas Gerais”. Com esta declaração, o governador Antonio Anastasia confirmou oficialmente nesta quinta-feira, dia 2, a descoberta de gás natural, que ocorreu no último dia 27 de agosto, após a perfuração de um poço no município de Morada Nova de Minas, que está inserido na Bacia do São Francisco. De acordo com o governador, os resultados das primeiras explorações apontam para a abertura de uma nova fronteira econômica para o Estado e decorrem de um esforço empreendido pelo ex-governador Aécio Neves, para que a exploração de gás no São Francisco ocorresse depois de décadas de estudos iniciados na área.

“Há gás natural em Minas Gerais. Nós descobrimos uma nova fronteira econômica para o Estado. Há alguns anos, o governador Aécio Neves se empenhou muito para nós termos uma associação de exploração na Bacia do São Francisco, que foi estudada durante muitos anos”, afirmou Antonio Anastasia, destacando o esforço do governo de Minas, para que a Agência Nacional de Petróleo (ANP) realizasse, em 2005, os leilões de concessão nestas áreas.
O poço foi perfurado em Morada Nova de Minas, município localizado a 280 quilômetros de Belo Horizonte. A perfuração foi iniciada no último dia 22 de julho e atingirá, em um prazo de 60 dias, a profundidade de 2.500 metros. A descoberta dos primeiros indícios da existência de gás natural ocorreu no último dia 27, a uma profundidade de 1.440 metros com queima de gás natural na superfície em teste de formação.
 
Redenção Econômica
Para o governador Antonio Anastasia, a boa notícia é que o Estado poderá contar com as receitas provenientes dos royalties da exploração do gás, que são semelhantes aos do petróleo. As perspectivas a partir da descoberta são de uma mudança da estrutura econômica de Minas Gerais, que poderá vender o produto de outros estados. Além disso, a rede de gasodutos poderá ser ampliada, permitindo uma industrialização ainda mais rápida.

“Esta notícia é extraordinária, porque significa uma redenção econômica, não só para aquela região, como também para todo o Estado. Já que não temos petróleo em Minas, passamos a ter gás, o que será certamente suficiente para o nosso abastecimento, inclusive para outros estados, o que vai facilitar a nossa rede de gasoduto e permitir uma industrialização ainda mais rápida”, disse o governador. A descoberta de gás na cidade já foi comunicada oficialmente, conforme determina a legislação, à ANP. Esta é a primeira descoberta de hidrocarbonetos, gás natural, na Bacia do São Francisco. 

Antonio Anastasia reiterou que as descobertas foram possíveis graças à participação da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemig). A companhia é uma das sócias, com 49% de participação, do consórcio Cebasf, responsável pelo Bloco SF-T-132, onde foi efetuada a descoberta. O grupo reúne também a Orteng Equipamentos e Sistemas (30% de participação), a Delp (11%) e Imetame (10%). O bloco foi arrematado na sétima rodada de licitação da ANP e o contrato foi assinado em janeiro de 2006. A Codemig participa também de mais quatro blocos na Bacia do São Francisco, sendo que dois deles são vizinhos aos de Morada Nova de Minas. O consórcio empreendedor investiu R$ 10 milhões em pesquisas e deverá aplicar outros R$ 11 milhões na perfuração.

“Alguns geólogos indicavam, desde a década de 60 ou 70 que essas áreas deveriam ter gás, mas nenhum governo teve a iniciativa, como o governador Aécio e o governador Anastasia, de correr atrás disso. É muito importante lembrar que a indução para a realização dos leilões de concessão dessas áreas partiu do Governo de Minas. Foi uma ação planejada há seis anos, voltada para o desenvolvimento econômico dessa região tão carente do Estado e que será uma nova fronteira econômica”, afirmou o presidente da Codemig, Oswaldo Borges da Costa.

“Essa descoberta vai ser mais um atrativo para que o Governo do Estado possa atrair diversos setores da indústria petroquímica, siderúrgica e de outros setores que têm o gás na sua matriz energética como insumo muito importante”, avaliou o presidente da Orteng Equipamentos e Sistemas, Robson Andrade
 
Novas explorações
A Codemig participou também em consórcio, ao lado da Cemig e parceiros privados, da 10ª Rodada de Licitação da ANP, realizada em dezembro de 2008,  para exploração de gás natural em outras regiões da Bacia do São Francisco. As duas estatais mineiras arremataram com parceiros privados os Blocos 104, 114, 120 e 127. As pesquisas de prospecção já foram iniciadas em julho deste ano e terão um prazo para conclusão até julho de 2013.
 
 
Veja onde estão localizados os outros blocos:
 104

Campos Altos, São João do Pacuí, Ponto Chique, Coração de Jesus, Ibiaí, Buritizeiro, Lagoa dos Patos e São João da Lagoa.
 114
Lagoa dos Patos, Buritizeiro, Pirapora, Jequitaí, São João da Lagoa e Várzea da Palma.
 120
Buritizeiro, São Gonçalo do Abaeté, Três Marias, Lassance, Várzea da Palma e João Pinheiro.
 127
São Gonçalo do Abaeté, Três Marias, Morada Nova de Minas e Lassance
 132
Tiros, Biquinhas, Carmo do Paranaíba, Patos de Minas, Morada  Nova de Minas, Paineiras, Abaeté, Varjão de Minas e Cedro do Abaeté.

Candidato a vice de Anastasia critica promessas de redução de impostos

agosto 26, 2010

O candidato a vice-governador pela coligação “Somos Minas Gerais”, deputado Alberto Pinto Coelho, criticou nesta quinta-feira, dia 26, as promessas feitas pelo candidato do PMDB ao Governo de Minas, Hélio Costa, de reduzir os impostos e as contas de água, luz e gás no Estado. Deputado estadual há 16 anos, Alberto Pinto Coelho conhece bem as contas públicas e o limite que o Estado tem para reduzir o ICMS.
 
“Faltou o candidato do PMDB explicar como pretende, com tantas promessas de isenção de impostos, manter o pagamento dos salários do funcionalismo em dia, continuar com os investimentos sociais e em infraestrutura realizados pelo Governo do Estado e ainda cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal. Além disso, a redução do ICMS sem qualquer outra contrapartida que resulte em aumento de receita, gera prejuízo para os 853 municípios mineiros, que terão perda de receita”, destacou Alberto Pinto Coelho.
 
O deputado lembrou, ainda, que a Cemig já isenta do pagamento de ICMS 2,8 milhões de seus consumidores residenciais, por eles apresentarem um consumo de até 90 kwh/mês. Entre esses consumidores, estão ainda 1,9 milhão de famílias de baixa renda, que pagam uma tarifa mais baixa, que varia entre R$ 2,99 a R$ 16,43, para o consumo até 90 kwh/mês. Trata-se da maior isenção em todo o País. No total, 40% dos consumidores da Cemig pagam uma conta subsidiada.
 
Alberto Pinto Coelho lembra que na conta de luz paga pelos mineiros incidem impostos federais que são cobrados de todos os consumidores e que, se essa isenção fosse concedida pelo Governo Federal, reduziria em 30% a conta final. Além disso, o custo da distribuição da energia em Minas é alto, maior do que outros estados brasileiros, em razão da dimensão territorial.
 
Com relação às contas de água, o Governo de Minas já subsidia água tratada e a coleta de esgoto em 164 localidades do Norte do Estado, beneficiando 134 mil pessoas, através da Copanor. O Governo do Estado já repassou R$ 545 milhões para a Copanor e até o momento já foram aplicados R$ 170 milhões. A empresa levará sistemas de abastecimento de água e esgoto em 463 localidades de 92 municípios dos Vales do Jequitinhonha, Mucuri, São Mateus, Itanhém, Buranhém e Jururuçu.

Anastasia cobra do governo federal isenção de impostos que encarecem a conta de luz no país

agosto 16, 2010

O governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição pela coligação “Somos Minas Gerais”, reafirmou nesta segunda-feira, dia 16, a excelência da Cemig, estatal mineira com melhor desempenho entre as empresas brasileiras de geração de energia elétrica e a maior distribuidora de energia da América Latina. Reeleito, o governador assegurou que a empresa manterá sua política de investimentos com foco na universalização dos serviços para a população e no desenvolvimento de novas fontes de energia, como a eólica. Anastasia cobrou do governo federal a concessão da mesma isenção fiscal que o Governo de Minas já aplica aos consumidores no Estado com o objetivo de baratear a conta de luz.

“Mais da metade da conta de luz é de impostos federais. Então temos que perguntar o que houve na esfera federal? O Governo de Minas isenta mais de 50% dos consumidores residenciais, com 100% de isenção e o Governo Federal não isenta nada”, questionou o governador.

A tarifa cobrada pela Cemig e nos demais estados brasileiros é definida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), órgão federal que regula o setor de energia. A tarifa é composta por diversos impostos e contribuições federais. Entre estes estão PIS/Pasep, Cofins, Reserva Global de Energia (RGE), Cota de Consumo de Energia (CCC), Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), além do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que é um tributo estadual.

No caso do ICMS, o Governo de Minas isenta 2,8 milhões de consumidores que gastam até 90 kwh/mês, o que corresponde a 60% do total de consumidores residenciais. Entre eles, 1,9 milhão são famílias de baixa renda que, além da isenção do imposto estadual, são beneficiadas com uma tarifa mais baixa, conhecida como tarifa social.Minas é o estado brasileiro com maior número de municípios, 853. Em São Paulo são 645 e no Rio de Janeiro são 92 municípios. A diferença da extensão territorial dos estados impede a comparação dos custos para fornecimento dos serviços. A Cemig distribui energia elétrica a cerca de 6,5 milhões de consumidores, sendo 5,1 milhões residenciais.

“As tarifas de Minas são diferentes em razão do tamanho do Estado. A rede de distribuição da Cemig é muito maior que a rede de distribuição da Light (Rio) e das empresas de São Paulo”, disse. 

100% da população rural atendida
Além da tarifa social, o candidato Antonio Anastasia destacou os investimentos realizados pela empresa no Programa Luz para Todos, de universalização do fornecimento de energia elétrica no campo. Parceria do Estado e do Governo Federal, o Luz para Todos foi iniciado em 2003 e, neste ano, entrou na terceira fase de implantação. Ao final desta etapa, prevista para dezembro deste ano, o Governo de Minas cumprirá a promessa assumida de dotar 100% da população rural do Estado com energia elétrica.

Até dezembro, o número de ligações terá atingido um total de 285 mil consumidores, que representam uma população atendida de cerca de 1,5 milhão de pessoas. Nesse período, o investimento total no programa soma R$ 3 bilhões, sendo 77% desse montante de responsabilidade do Governo de Minas e da Cemig e 23% do Governo Federal.

Na parte do investimento cabível ao Governo de Minas e à Cemig estão recursos do Estado via isenção de ICMS, do próprio caixa da Cemig e empréstimos feitos junto à Eletrobrás, que serão amortizados pela estatal mineira nos próximos anos. Os recursos do Governo Federal são a fundo perdido e originados da cobrança de impostos e de encargos sobre a conta de luz paga pelo consumidor.

“O Luz para Todos é um programa em que mais de 70% dos recursos são provenientes do Tesouro do Estado ou da própria Cemig, através de recursos próprios ou de empréstimos que ela vai pagar. Então, é isso que devemos analisar. Quais são as propostas de universalização, como vamos melhorar a eficiência da Cemig”, destacou Antonio Anastasia.
 
Energia Eólica
O governador reiterou também a importância da Cemig para Minas e disse que, reeleito, dará prosseguimento ao programa para implantação de usinas eólicas no Estado. A empresa já tem o mapeamento dos locais com maior potencial de geração de energia por meio do vento, uma importante fonte de energia limpa e renovável. “Nós vamos fazer energia pelos ventos, uma energia muito barata. A Cemig conseguiu fazer um trabalho único no Brasil e lançou esta proposta agora, em parceria com o setor privado. Então é para adiante que se anda”, afirmou Antonio Anastasia.

Governo de Minas e Cemig participam com 77% dos investimentos do “Luz para Todos” em MG

julho 17, 2010

 O candidato a vice-governador na coligação “Somos Minas Gerais”, deputado Alberto Pinto Coelho, esclareceu hoje as informações relativas aos investimentos do programa de eletrificação rural “Luz para Todos”, que está sendo realizado no Estado pela Cemig.

De acordo com ele, o Governo de Minas e a Cemig são responsáveis por 77% do total de recursos aplicados no programa. Já a participação do Governo Federal é de apenas 23%, por meio de recursos obtidos a fundo perdido, oriundos de encargos cobrados na conta de energia do consumidor.

“Só posso acreditar que o ex-ministro Patrus Ananias esteja mal assessorado. As informações ditas por ele são absurdamente equivocadas. A participação do Estado e da sua estatal de energia, a Cemig, é de 77%, assim constituídos: isenção de ICMS, recursos da própria Cemig e de empréstimos feitos por ela, junto à Eletrobrás, recursos que serão pagos integralmente nos próximos anos”, disse o candidato a vice-governador.

O programa “Luz Para Todos” já está em sua terceira fase de implantação. Desde que foi iniciado, em 2003, até o final deste ano, terão sido feitas 285 mil ligações, que representam uma população atendida de aproximadamente 1,5 milhão de pessoas. O investimento será de R$ 3 bilhões.

Antonio Anastasia assina termo de doação de equipamentos de baixo consumo de energia

abril 26, 2010

Governador Antonio Anastasia em pronunciamento na doação de equipamentos - Foto Carlos Alberto/Imprensa MG

O governador Antonio Anastasia assinou, nesta segunda-feira, dia 26, em Campo Belo,  no Sul de Minas, termo de doação de geladeiras, chuveiros, lâmpadas e outros equipamentos de baixo consumo de energia para 17 entidades sociais de cinco municípios da região. A distribuição desses equipamentos faz parte do projeto Energia do Bem, integrante do Programa de Eficiência Energética (PEE) da Cemig que já beneficiou 1.409 instituições com mais de R$ 23,5 milhões.

“Temos, de maneira muito positiva, um projeto social muito ativo, que significa um respeito às entidades filantrópicas e beneficentes. Essas entidades estão recebendo o apoio da Cemig, do Servas, do Governo do Estado, para reduzir a conta da tarifa de energia e poder gastar seus recursos mais com as pessoas que atendem. É um projeto muito positivo que tem ocorrido em toda Minas Gerais”, explicou o governador.

Além de Campo Belo, entidades de Candeias, Cristais, Santana do Jacaré e São Francisco de Paula serão beneficiadas pelo Energia do Bem. Serão beneficiadas instituições de longa permanência para idosos, creches, Apaes, abrigos, albergues, casas de passagem, casas-lares e centro de recuperação para dependentes químicos com equipamentos que geram economia de energia, além de permitir mais conforto e segurança.

Leia matéria completa Programa distribui equipamentos de baixo consumo de energia

Confira  Transcrição da entrevista do governador Antonio Anastasia em Campo Belo

Leia também Governador Antonio Anastasia cumpre agenda em Uberlândia

Governador Aécio Neves comemora decisão da Petrobras

março 20, 2010

O governador Aécio Neves comemorou a decisão tomada pela Petrobras de colocar no mesmo nível de prioridade a implantação de uma usina de amônia em Uberaba, Três Lagoas (MT) e Linhares (ES). A decisão foi tomada na noite dessa sexta-feira, dia 19, pelo Conselho de Administração da estatal, um dia após a reunião do governador com a diretoria da Petrobras, em que estiveram presentes o vice-presidente da República, José Alencar, o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Sérgio Barroso e o presidente da Cemig, Djalma Morais. Na reunião, o governador assegurou ao presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, que o Governo de Minas, através da Cemig, vai levar até o Triângulo Mineiro o gasoduto necessário para a implantação da planta de uréia-amônia em Uberaba.

 Leia matéria completa Governador Aécio Neves comemora decisão da Petrobras

Confira ainda Governador autoriza R$ 49 milhões para Hospital Regional e obras em Sete Lagoas