Antonio Anastasia anuncia criação do Fundo Estadual do Café

José Serra, Antonio Anastasia e Aécio Neves visitaram as cidades de Varginha e Itajubá, no Sul de Minas. Foto Rodrigo Lima/Nitro

O governador Antonio Anastasia, candidato à reeleição, anunciou nesta segunda-feira, dia 30, que, reeleito, criará o Fundo Estadual do Café em Minas Gerais. O governador esteve no Sul de Minas, ao lado do ex-governador Aécio Neves, candidato ao Senado Federal, e do candidato à Presidência, José Serra. Os três foram recebidos com muita festa em Varginha e Itajubá. O Fundo Estadual do Café contribuirá para garantir a renda dos cafeicultores, evitando as perdas provocadas pelo excesso de oferta e queda de preço do produto. Minas Gerais é o maior produtor e exportador de café do Brasil. A safra estadual este ano está estimada em 23 milhões de sacas, metade da produção nacional.

“Já temos uma política muito positiva de cooperação, de assistência técnica, de produtividade e excelência do café em Minas. Vamos criar um Projeto Estruturador, vinculado ao Governador do Estado, e o Fundo Estadual do Café, com recursos do Tesouro de Minas, exatamente com este objetivo de, junto com as lideranças da cafeicultura, identificarmos onde estão as prioridades para alocarmos esses recursos. Ora para seguro, ora para garantia, e para diminuir a questão das margens”, explicou o governador.

Em Minas, a cafeicultura gera 1,2 milhão de empregos diretos. As exportações de café de Minas, nos primeiros sete meses deste ano, cresceram 21,3% em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O valor das exportações foi de US$ 1,8 bilhão, o que representa quase a metade de todas as vendas do agronegócio mineiro.
 
Sonho antigo
A proposta de criação do Fundo Estadual do Café, apresentada pelo governador Antonio Anastasia, foi muito comemorada pelos cafeicultores. O membro do Conselho Nacional do Café (CNC) e presidente da Cooperativa dos Cafeicultores da Zona de Varginha (Minasul), Oswaldo Henrique Paiva Ribeiro, disse que esse era um sonho antigo dos produtores.

“É excelente. Já é uma ideia do setor há muito tempo para que tenhamos políticas consistentes e duradouras para a cafeicultura mineira, que é a maior do Brasil. Esse fundo pode ajudar tanto na parte de pesquisa, divulgação, até no sentido de se preservar a renda do produto, através de políticas, como preço de garantia, ou outros instrumentos modernos de comercialização, que permita realmente o produtor ter uma renda digna de acordo com a sua atividade”, disse o membro do Conselho Nacional do Café.
 
Negociação com o Governo Federal
Em Varginha, Antonio Anastasia também reafirmou o seu compromisso de cobrar do Governo Federal uma política nacional cafeeira adequada para o setor. Cabe ao Governo Federal garantir um preço mínimo para a saca do café acima dos custos de produção e oferecer contratos de opção de compra do produto pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), retirando o excesso de café do mercado. “Vamos fazer um esforço imenso para que o Governo Federal se sensibilize e atue na sua responsabilidade, que é a questão do preço mínimo da saca, da regulagem do estoque e da dívida dos cafeicultores”, cobrou Antonio Anastasia.

O ex-governador Aécio Neves afirmou que os produtores café foram esquecidos pelo Governo Federal nos últimos anos e que, no Senado, trabalhará, juntamente com o governador Antonio Anastasia, por uma política permanente para a cafeicultura.

“Infelizmente neste governo, o café não vem tendo, por parte do Governo Federal, que é quem define essa política, a atenção que precisa ter. Espero, no Senado também, ao lado do governador Anastasia, agir com o apoio de outros estados produtores para que possamos ter uma política permanente, que dê tranqüilidade e, obviamente, lucratividade para a atividade da cafeicultura”, afirmou Aécio Neves.
 
Compromisso com o café
O ex-governador José Serra, candidato à Presidência, também se comprometeu, caso seja eleito, a criar uma política nacional de proteção à cafeicultura. Para ele, a presença da União no mercado do café é fundamental pelo alto número de empregos que o setor gera.

“A cafeicultura precisa de uma política de governo que a apoie para que ela  possa render frutos em matéria de empregos, de divisas e de atividade econômica. É preciso ter uma política de estoques regulatórios na agricultura, preço mínimo, seguro agrícola para dar força para o café e maior competição para ele e mais divisas para o Brasil, e mais empregos. Está faltando uma política agrícola boa para o café no Brasil. É uma política que vou fazer por que conheço esse assunto e sei que Minas é o principal estado do Brasil hoje”, disse José Serra.

Certificação e Centros de Excelência
O Governo de Minas, nos últimos oito anos, promoveu uma política inovadora de estimulo à produção de café. Criou o programa de certificação de propriedades cafeeiras, o Certifica Minas Café, para atestar a conformidade das propriedades cafeeiras às exigências dos padrões do comércio mundial. Foi o primeiro programa do gênero implantado no País por um governo estadual. Com a certificação, os pequenos produtores têm a oportunidade de conquistar novos mercados, inclusive no exterior.

O cadastro dos produtores no programa, a assistência técnica e as orientações para adequações das propriedades são feitos pela Emater-MG. Em 2009, 1.026 propriedades estavam certificadas. Até o ano 2011, serão 1.500 propriedades com o selo de certificação.

Entre 2005 e 2009, na gestão de Aécio Neves, o Governo de Minas também investiu cerca de R$ 3 milhões na implantação de três Centros de Excelência do Café para desenvolver pesquisas ligadas ao setor e capacitar trabalhadores rurais, engenheiros agrônomos e outros profissionais ligados à cadeia produtiva do café.

Os centros ainda capacitam profissionais que atuam na classificação de café. Os Centros de Excelência do Café estão instalados em Machado (Sul de Minas), Viçosa (Zona da Mata) e Patrocínio (Alto Paranaíba) e foram construídos em parceria com prefeituras, universidades e associações.
 
Campanha
Antonio Anastasia, Aécio Neves e José Serra foram recebidos por cerca de 200 pessoas no aeroporto de Varginha no início da tarde.  Em seguida participaram de uma carreata a partir da Praça Getúlio Vargas. Durante todo o trajeto, os candidatos  foram saudades por eleitores que tiravam fotos e acenavam para os candidatos.

Em seguida, Anastasia, Aécio e Serra deram início a uma caminhada no calçadão da rua Wenceslau Braz, no centro da cidade.  Eles cumprimentaram os eleitores e entraram em lojas e lanchonetes. Cerca de 500 pessoas acompanharam a caminhada dos candidatos que, em seguida, foram para Itajubá.

Tags: , , , , , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: